• Jucelma Pereira

A TRADIÇÃO DE BENZER

Saber benzer uma pessoa, um animal e até um objeto é um ato sublime de fé e de cura, para muitos é uma missão de vida. São pessoas que costumam falar: “Eu que te benzo, Deus que te cura”, e elas fazem parte de um patrimônio cultural imaterial vinculado ao divino, que corre o risco de se perder.


A tradição de benzer começou aqui no Brasil na época de seu descobrimento com a vinda dos jesuítas. Ao longo dos séculos, as mulheres ganharam um papel primordial nesta prática ao dominar o conhecimento sobre as rezas, os rituais e as ervas. Elas sintetizavam os saberes das culturas africana, indígena e europeia. Eram referência em suas comunidades, representavam o poder do feminino além de serem importantes para a identidade cultural.

Em lugares distantes, sem médicos e sem farmácias, a população recorria à estas profissionais, que cuidavam desde “ventre virado” a partos.



Ao longos dos anos, a medicina tradicional tem se rendido à premissa de que somos corpo, mente e espírito. Os exemplos que vemos são: postos de saúde com hortas medicinais, benzedeiras como agentes de saúde, médicos que incentivam o cultivo da fé e que também rezam antes de começar a trabalhar.


Texto: Sabedoria Ancestral.

10 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo